GT Antropologia das emoções | Antropología de las emociones

El GT Antropologia das emoções | Antropología de las emociones es coordinado por Mariana Sirimarco y María Claudia Coelho

Presentación

Esta proposta de Grupo de Trabalho toma por base o projeto “Cultura, Subjetividade e Emoções”, desenvolvido no âmbito do Projeto de Internacionalização da Universidade do Estado do Rio de Janeiro com apoio do Edital CAPES PRINT (2018 – 2023) e. coordenado pela Profa. Maria Claudia Coelho (co-proponente deste Grupo de Trabalho).

O projeto “Cultura, Subjetividade e Emoções” tem por principal objetivo a formação de uma Rede Iberoamericana em Antropología das Emoções (https://csemuerj.wixsite.com/csem). Sua equipe é formada por pesquisadores brasileiros, argentinos, portugueses e espanhóis de cinco Instituições: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidad de Buenos Aires, Instituto de Desarrollo Económico y Social, ISCTE-IUL e Universidad de Barcelona.

Para esta proposta de Grupo de Trabalho, somam-se aos pesquisadores do projeto “Cultura, Subjetividade e Emoções” participantes de outras três Universidades brasileiras (Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS -, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ – e Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF), da Universidad Nacional Autónoma do México (UNAM) e da Johannes Gutenberg- University Mainz (Alemanha). O grupo, assim, é composto por 19 pesquisadores de dez instituições de seis países (Brasil, Argentina, México, Portugal, Espanha e Alemanha).

Nestes dez anos de trabalho conjunto, exploramos, por meio de cursos, orientações, atividades em reuniões científicas e publicações, os limites e possibilidades de constituição das emoções como objeto da investigação antropológica. Duas linhas mestras podem ser identificadas: (a) as emoções presentes em experiências de áreas da vida associadas às esferas da privacidade e da intimidade (tais como o corpo, a sexualidade ou a saúde/doença) e (b) o trabalho político das emoções em fenômenos da chamada “esfera pública”, tais como a política, o policiamento, a violência urbana, os movimentos sociais, as instituições e os universos profissionais. Um conceito, oriundo da antropología das emoções de matriz norte-americana, atravessa estas reflexões: a ideia, proposta pelas antropólogas Catherine Lutz e Lila Abu-Lughod, de que as emoções seriam dotadas de uma dimensão micropolítica, entendida como uma capacidade de dramatizar, reforçar e/ou alterar relações de poder e hierarquia.

Informe anual de lo actuado 2021-2022

Informe GT Antropología de la Emociones