O giro para a direita: perspectivas e reflexões desde a Antropologia dos Esportes no Brasil

Autores/as

  • Luiz Fernando Rojo Departamento de Antropologia, Universidade Federal Fluminense Niterói (RJ), Brasil

Palabras clave:

esporte; políticas públicas; extrema-direita; resistência; democracia

Resumen

Neste ensaio discutirei as consequências do giro à direita que tem impactado o mundo sobre as políticas esportivas brasileiras, em contraponto com aquelas desenvolvidas nos catorze anos de governos de centro-esquerda no Brasil. Para isso irei indicar como os esportes foram, durante muito tempo, associados apenas com a competitividade, colonialismo, espetacularização e a masculinidade hegemônica. Por outro lado, no entanto, o esporte começa a aparecer, embora sem a mesma atenção, como uma arena onde são construídas resistência e visibilidade por grupos sociais excluídos das políticas públicas. Esta ambivalência permitirá compreender os avanços e limites das políticas esportivas dos governos de Lula e Dilma Rousseff, bem como as consequências negativas do atual giro para a direita sobre o esporte no Brasil.

Descargas

Publicado

2021-03-18 — Actualizado el 2021-03-18

Versiones

Cómo citar

Rojo, L. F. . (2021). O giro para a direita: perspectivas e reflexões desde a Antropologia dos Esportes no Brasil. Plural. Antropologías Desde América Latina Y Del Caribe, 2(6). Recuperado a partir de https://asociacionlatinoamericanadeantropologia.net/revistas/index.php/plural/article/view/156